Soberano


O São Paulo já foi um time diferenciado, um exemplo. Em um país onde o gerenciamento do futebol profissional é qualquer coisa menos profissional, o São Paulo destoava e se você acha que é papo de torcedor, acompanhem comigo (Calma vou ser didático, há Corinthianos que leem o blog):


– Demitir tecnico era a ultima opção. Sempre se prezou pelo planejamento e trabalho de médio e longo prazo;
– Tínhamos uma oposição atuante na diretoria e um estatuto que era um exemplo a ser seguido, com eleições e regras bem definidas;
– Organizada não apitava no clube e não causava problema e confusão em treinos. Torcida tem que torcer e vaiar da arquibancada
– Criávamos craques na Base em Cotia (outro orgulho) e  os prestigiávamos no time principal e a  política de trazer jogadores caros era pontual e geralmente acertávamos;
– Nunca caímos para a Segundona.

Só que agora, com 7 (ñ importa o numero exato) derrotas seguidas, o que não acontecia desde 1936 – quando o clube estava apenas começando; o clube demonstra que esqueceu tudo isso e se transformou em um time comum e  este enrosco em que nos metemos começou no exato momento em que o JJ  rasgou o estatuto e se reelegeu presidente, fazendo o que sempre foi criticado nos co-irmãos.

Gastamos um fortuna com o Ganso e ele não esta fazendo valer nem meia-pataca;
Os garotos da base tem vislumbre e marra demais para futebol de menos.
Fora a dança de técnicos que se tornou rotina, quando quem deveria sair está agindo como se nada estivesse acontecendo.
Nem vou comentar o ultimo item da lista, porque ainda está de pé….
O São Paulo foi Soberano tem a história mais vitoriosa e gloriosa frente aos seus co-irmãos (antes de reclamarem, pesquisem) e basta a diretoria por a cabeça no lugar e renunciar. 
Time nos temos, estrutura também.
Avante Tricolor.