Batman – The Dark Knight Rises

The dark knight rises
Finalmente assisti nesta semana o encerramento da obra do Nolan no Universo do Batman… E a sensação foi espetacular. Antes de tudo, cabe ressaltar que daqui em diante teremos SPOILERS!!!! siga por sua conta e risco.
Primeiro ponto que acho que precisamos ter em mente é:

  • Apesar de serem filmes fechados a trilogia é um filme só com três atos distintos retratando uma fase da vida de Bruce Wayne, a saber:
    • Begins – Decisão: Ele decide ser tornar o Batman
    • Dark Knight – Escolha: Bruce precisa enfrentar escolhas pessoais importantes devido à decisão de se tornar o Batman
    • Rises – Consequencia: Wayne é confrontado com as consequencias de suas decisões e escolhas anteriores.
  • Ou seja, não dá para comparar este filme com o segundo e o primeiro, mas como o ser humano adora um ranking, o segundo é melhor que este (Assim como o Imperio Contra-Ataca).

Isso foi o ponto mais interessante na minha opinião sobre como o Nolan trabalhou o Batman, ele o retratou como uma ideia abraçada por um homem em um determinado momento e nos colocou no ponto de vista deste homem, como na cena em que ele nos mostra que Wayne estava com o corpo completamente debilitado devido à sua atuação como Batman.
Uma coisa que me deixou muito feliz foi identificar as referencias à mitologia do Batman, como o final “Cavaleiro das Trevas” e o Robin ter sido criado a partir da inspiração do Terry McGinnis (Batman do Futuro), Tim Drake (Descobriu sozinho quem era o Batman), Jason Todd e o Dick Grayson (Orfãos). Aliás esta é a primeira vez na vida que eu acreditei no Robin.
Pontos Fortes
Catwoman

  • A Mulher-Gato ficou bem legal e muito, mas muito melhor que as anteriores (Sorry Michele). Aliás, o nome “Mulher-Gato” não é citado em nenhum momento do filme.
  • O roteiro é bem amarrado e não deixa pontas soltas e faz referencias diretas ao primeiro e ao segundo filmes
  • Bane convence como o vilão e o visual ficou menos galhofa que no gibi. A história dele é contada de maneira diferente, mas que respeita totalmente a origem dos quadrinhos.
  • Transformar o poço de Lázaro em algo físico foi um toque de gênio do Nolan… Acrescentou algo ao Rás Al Ghul que ficou sem citação no primeiro.
  • Trilha Sonora, Hans Zimmer, putz!!! Criou uma trilha sonora mais tocante que a de Dark Knight e que realmente te emociona e acrestenta às cenas.
  • PALMAS LENTAS para Michael Caine, ele É o Alfred e o Nolan o transformou mais do que um simples mordomo, é ele quem nos ajuda a mostrar que o Batman não é humano, mas Bruce Wayne é. A cena do entrerro é emocionante.
  • Final fechado e digno, apesar de alguns acharem que foi clichê ou outros acharem que estavam vendo Inception (SIM, Wayne está vivo no final, já o Batman não). Isso é o ponto espetacular e que emociona demais, pois nos mostra de maneira magistral que Bruce Wayne não era o Batman, ele estava SENDO o Batman naquele período de crise e que este ideal irá continuar com outras pessoas inspirados pela estátua (erguida no local onde foram realizados os julgamentos do Espantalho) e agora ele pode seguir a vida em paz. Isso é mais crível do que você imaginar que um homem combatendo o crime por anos a fio.

Pontos Fracos
the-dark-knight-rises-marion-cotillard

  • A inclusão de Talia Al Ghul no filme pode fazer sentido para amarrar o roteiro e criar a resposta para a pergunta “Porque Gotham Bane???”, mas é justamente por isso que ela cria um problema: Bane que passa o filme todo sendo um vilão digno, se torna apenas o capanga apaixonado… Ele chorando foi forçar demais!
  • Outro ponto sobre a Talia é a morte dela, catzo mulher, até um cachorro se finge de morto de maneira mais convincente, o que gerou um Tumblr sobre o assunto: http://peopledyinglikemarioncotillard.tumblr.com/post/29133161522/anna-polina-dies-like-marion-cotillard
  • A polícia de Gotham, porra Batima, você está caçando um criminoso e coloca todo o efetivo dentro do esgoto AO MESMO TEMPO!!!! Juro, quando o Gordon deu a ordem para a operação na minha cabeça apareceu a cena: everyone
  • E depois de todo o perrengue debaixo da terra os guardinhas são soltos e vão enfretar a quadrilha do Bane armada até os dentes e com uma dúzia de Batimóveis de peito aberto e umas pistolas… Poxa, será que nenhum deles teve treinamento mínino ou nunca jogaram Battlefield na vida catzo!
  • O mandado do prefeito de Gotham deve ser vitálicio devido a lei Dent porque se passaram 8 anos e o cara estava lá firme e forte.
  • A cena de envolvimento do Bruce com a Miranda/Talia é uma referencia aos quadrinhos, mas completamente desnecessária neste filme.
  • Um ponto que me incomodou é a quantidade de rampas existentes em Gotham para faciliar fugas de moto…

Olhem só… 7 pontos fortes e 7 pontos fracos. Mas a questão é que os pontos fortes são muito bons, mas bons mesmo a ponto que os pontos fracos não conseguem estragar o filme.
Nolan fez um filme sério, uma obra de arte com a trilogia Batman usando um universo que para muitos é infantil e bobo e sem entrar na onda show-off dos filmes da Marvel, e que não são ruins, vibrei demais em Vingadores, mas são propostas completamente opostas.
Um final digno e justo para uma trilogia que colocou o telespectador do lado de dentro da máscara do Batman.