DARPA’s Cyber Grand Challenge

Anualmente em Las Vegas acontecem 2 das maiores convenções de segurança da informação do mundo, a BlackHat e a Def Con, que possuem propostas e até publicos um pouco diferentes. Enquanto a primeira ficou mais “comercial” a segunda ainda tem uma aura “underground”.

Na Def Con um dos eventos mais procurados, além das palestras, é a tradicional competição de Capture the Flag onde diversos times de hackers tentam invadir os servidores dos outros para “pegar a bandeira”. Entretanto este ano a DARPA decidiu entrar na brincadeira, mas não competindo, eles criaram um nova modalidade da competição chamada de Cyber Grand Challange:CGC_Stacked_ColoronBlack.jpg

 

 

 

 

 

 

E o objetivo da brincadeira era bem grandioso… Este é o primeiro torneio de hacking só para máquinas. Isso mesmo, um torneio de Capture the Flag sem intervenção humana, totalmente baseado em machine learning onde a ideia é que os ambientes deveriam se defender e contra-atacar os outros oponentes sozinhos, olha o naipe dos brinquedos:

20160804_vega_034.jpeg

Isso mostra que hoje a questão de CyberSecurity não é mais uma questão apenas empresarial, mas sim de segurança nacional e cada vez mais importante devido ao impacto que pode causar. Sistemas como estes serão as novas armas de defesa de fronteiras, pois não precisam dormir, comer e não se importam com fusos horários para manter a vigilância. Ok que o humano sempre precisará estar presente (por enquanto), mas o ganho de escala e velocidade destas tecnologias para a identificação e resposta é surpreendente.

E todo o evento foi filmado e está disponível para que possamos ver como a tecnologia de machine learning está evoluindo a passos logarítimicos e sendo usada nas mais diversas atividades.

Obviamente todos os computadores e programas foram devolvidos para a DARPA que poderá combinar o melhor de cada um deles no seu próprio ambiente.

 

 

 

 

 

 

Delete Java in System Settings

O Java é um legado da internet 1.0 que sobrevive a sobressaltos, assim como o Flash, mas que já deveria estar morto. Um destes sobressaltos é o nosso sensacional sistema para a declaração de imposto de renda (Contém sarcasmo) que é baseado nesta maravilha e obriga a todos a instalar este câncer em seus computadores. O outro sobressalto é o querido Guardião instalado pelos sites bancários para proteger o usuário dos perigos da internet (Se vc usa o Itaú vá para www/itau.com.br/computador e instale o aplicativo para Windows ou Mac e se livre do guardião).

Entretanto principalmente por causa do IR (e por problemas de prazo) tive que colocar isso no Mac ao invés de usar uma Máquina Virtual (Mal sapão, mal Sapão) e eis que quando fui desinstalar o miserável, ele se recusou a sair da máquina acusando um erro no processo e se agarrando ao sistema. Portanto, como mata-lo e tira-lo do OSX? Simples:

Delete Java in System Settings

SystemPreferences-java-1

Abra o terminal e digite:
– sudo rm -fr /Library/Internet\ Plug-Ins/JavaAppletPlugin.plugin (Vai pedir a sua senha)
– sudo rm -fr /Library/PreferencesPanes/JavaControlPanel.prefpane
– Feche o terminal

Abra o Finder e vá para o diretório – /Library/PreferencePanes/ e apague o arquivo JavaControlPanel.prefPane

Pronto, este câncer se foi da sua máquina. Mas se você precisa acessar o site de outros bancos, sugiro baixar o VirtualBox e subir uma máquina virtual Windows ou Linux (Use o Mint ou Ubuntu) e faça o que precisar neles.

A breve história humana

Engraçado como hoje em dia estamos acostumados à várias benesses da vida moderna e termos a sensação de que a vida sempre foi assim. Mas se colocarmos em perspectiva fazemos parte das primeiras gerações efetivamente beneficiadas pela modernidade.

O video do canal Kurzgesagt – in a nuttshell é um excelente resumo de como a humanidade é jovem se comparada ao nosso mundo.

Le Mans 2016

Le Mans é algo único no automobilismo mundial. Uma corrida que vale mais que muitos campeonatos juntos atualmente (Sim, estou olhando para você Bernie) e que apesar das 24h de duração, reserva dramas até os minutos finais como vimos este ano com a Toyota.

Após liderar boa parte das 24h com uma estratégia primorosa que compensou a menor velocidade e potência frente aos Porsches, uma peça na linha de ar entre o turbo e o intercooler apresentou algum defeito que subitamente tirou a potência do motor de Nakajima.

Apesar de conseguirem redirecionar a conexão, mas já era tarde demais para terminarem a volta final em menos de 6 minutos e portanto não conseguiram terminar a Le Mans 2016, foi de dar uma dor no coração ver o box da equipe enquanto o carro ia parando na reta dos boxes.

Aqui o vídeo da Porsche sobre a prova deste ano.

Pedaladas Fiscais 

E amanhã teremos mais um capítulo da nossa história com a votação no Congresso do pedido de impeatchment da presidente Dilma.

Mas além da polarização normal Petralha vs Coxinhas, há a questão fundamental de saber se o mérito da questão é legítimo ou se estão usando um recurso constitucional (quem diz que a constituição foi rasgada, está sendo desonesto).

Na minha opinião, as pedaladas são sim crime de responsabilidade, pois além de quebra da Lei de responsabilidade Fiscal (que o PT rasgou e é por isso que os Estados estão falidos e tem tem gente sem receber). Além disso, a motivação foi a compra de votos mascarando a situação econômica e criando uma bola de neve na economia. 

Este é o texto da Lei: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp101.htm

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) foi criada em 2000, como base legal de um dos sustentáculos do tripé macroeconômico que nos garantiram bons anos de estabilidade – metas de superávit primário. Dentro da da LRF há um dispositivo vital: a proibição de empréstimos de bancos públicos (estaduais e federais) para os seus respectivos tesouros. 

Isso fez parte de um grande saneamento das contas públicas federal e estaduais promovido em conjunto com o Plano Real.

Isso foi feito pois o mandato de um político é finito e evita que o mandatário jogue a bomba para o próximo eleito aumentando o gasto via endividamento e deixar a dívida para o próximo incumbente. Dai a lógica da Lei de Responsabilidade Fiscal: só poder criar novo gasto se houver fonte de financiamento, sem jogar no colo do próximo mandatário um passivo gigante.

Até chegar a Dilma Rousseff e sua equipe – Guido Mantega, Arno Agustin, Nelson Barbosa, que decidiram que um pouco mais de gasto público financiado por dívida faria o Brasil bombar, principalmente em 2014, coincidentemente um ano de eleição. E passando por cima da lei, já que ela atrapalhava o nosso potencial de crescimento!!!

Traduzindo em miúdos, foi isso o que ocorreu:

“Sua mulher mandou você ao supermercado comprar 100 reais em arroz e feijão. Chegando lá, ela liga e diz que você também vai ter que comprar carne, queijo, leite, batata e cenoura com os mesmos 100 reais. Você percebe que é impossível comprar tudo isso com esse dinheiro. Mas como eram itens de primeira necessidade e – principalmente – porque dali alguns meses haveria uma eleição para melhor marido do bairro, você compra todos os itens que sua mulher pediu. Foi pra casa e disse que tudo tinha custado os mesmos 100. Mas não tinha. Na verdade, custou 380 reais. Só que esses 280 a mais eram para você pagar o aluguel. Você deixou de pagar naquele mês. E nos meses seguintes, porque todo mês você tinha que comprar a mesma lista. A eleição de melhor marido estava chegando. Os meses se passavam e o buraco que você criou no aluguel, na luz, no gás foi crescendo e somando juros. Veio a eleição e pá! Você ganhou. Melhor marido do bairro. Imediatamente você reduziu a lista para pão e água. E mandou todo mundo em casa parar de usar eletricidade, gás, água e telefone. Mudou com a família para uma kitchnet mas não importa, porque agora você seria o melhor marido do bairro por mais 4 anos.

E se a esposa quiser pedir divórcio, é golpe! Afinal, eles se casaram dentro da legalidade, de papel passado e tudo. E ele ainda por cima foi eleito democraticamente o melhor marido pelo bairro.”

Pela lei, isso não poderia ser motivo pois foi feito no mandato anterior (absurdo, mas divago) mas o ponto é que ela continuou fazendo isso em 2015 para continuar mascarando os problemas (são estas pedaladas que estão sendo julgadas) e aumentando a dívida pública a níveis extremos, gerando o fenômeno da estagflação, que é o aumento da inflação sem crescimento econômico e isso é o pior cenário possível, gerando desemprego e aumento do custo de vida.

 

Aumento da dívida pública
 
Se não sofrer punição alguma pelas pedaladas fiscais o recado está dado: a LRF é letra morta. Daqui para frente nenhum político tem o mínimo incentivo para respeitar o orçamento público, basta se arranjar com a base aliada para evitar qualquer condenação baseada no descumprimento da LRF – e por “se arranjar com a base aliada” entenda distribuir cargos e aumentar os gastos ainda mais.

Então quando disserem que não há dolo nas pedaladas, isso também não é um verdade absoluta.

"Crer é muito monótono, a dúvida é apaixonante!" – Oscar Wilde